sexta-feira, julho 28

O Menino do Piano

Transcrevo aqui uma música de Mafalda Veiga, "O Menino do Piano". Lamento não ser possível reproduzi-la aqui no blog, mas assim que souber como fazê-lo, tratarei de a postar (até lá aceitam-se sugestões).

Agradeço ainda a um AMIGO por me ter mostrado esta música e me ter feito pensar sobre quem seria, de facto, este Menino do Piano.

Quem poderá ser ele? ;)



Vi um menino, com um piano,
No ceu da minha cabeca,
Veio de tao longe, so para me pedir,
Que nunca o esqueça.

Vinha tocar o seu piano,
Como só nos sonhos pode ser,
Por entre as nuvens e as estrelas,
Apareceu, quando me viu, adormecer.

Ficou sentado, perto de mim,
Onde mora a fantasia,
Quis-lhe tocar, mas não se pode ter,
A noite a iluminar o dia.

Soprou devagarinho, uma estrela,
Que se acendeu na sua mão,
Disse-me podes sempre vê-la,
Se souberes sopra-la no teu coração.

Vi um menino, com um piano,
A despedir-se de mim,
Como uma nuvem, fez o mar e partiu,
Nos sonhos pode ser assim.

Disse-me está a nascer o dia,
Vou p'ra onde a noite se esconder,
Volto com a primeira estrela,
Para tu nunca teres medo, ao escurecer.


Mafalda Veiga

Não é tempo de estudo.
Não é tempo de cansaço.
Nem se quer é tempo de festa, festa, festa (só de festa).
É... tempo de saudade...

Que o sussurar do vento
te leve um beijo terno e carinhoso,
meigo e atencioso
deixando-o em teu pensamento,
para que a distancia não apague
em ti a minha a minha existencia.

O tempo vale.
Vale o que nós quisermos que ele valha.
Este tempo... vale o que vale...

Porque há coisas que valem bem mais que o tempo...
;)

quinta-feira, julho 20

presente...

estou estoirado... desejo as férias, apesar de gostar tão pouco do que elas provocam como de estudar...

Enfim...

Depois de muitas falácias, silogismos, empirismos e racionalismos, ei-las:






















AS FÉRIAS!!!!!!!!!!!!!!!!!!

sábado, julho 15

Mudança

Gostamos da mudança quando é positiva ou quando nos afecta de uma maneira agradável. Contudo, quando esta se mostra pessimista desejamos com todas as nossas forças que as coisas fiquem na mesma e não se alterem. No entanto, as coisas ou mudam, ou ficam na mesma. Achar que se pode mudar algumas coisas e deixar as outras na mesma é um pensamento que tenho várias vezes.
No fundo, é como moldar a nossa vida, rectificando as falhas, alterando-as, e deixando as coisas boas e positivas na mesma quietude em que se encontram. É claro que a mudança acarreta outras circunstâncias que podem causar outras mudanças.
Não podemos esperar que esteja tudo parado com medo de mudar. Não podemos viver parados. Não podemos viver a recordar. Não podemos relacionar-nos com pessoas com base no que elas foram, caso tenham sido mudadas, ignorando o que hoje são. As pessoas gostam de parecer o que foram (caso esse passado tenha sido agradável), ou de parecer sempre melhores.
Ignorar pode ser por vezes perigoso. Especialmente se ignorarmos pessoas. Não podemos esconder a nossa relutância em falar com alguém que já não é o mesmo. Tentamos substituir essa relutância por ajuda da nossa parte para fazer mudar essa pessoa. Mas uma pessoa é sempre uma pessoa, uma individualidade, uma vontade própria, inalterável se assim o quiser. É o que se passa hoje, a inalterabilidade das pessoas que têm medo de mudarem, da mudança, de ser custoso, de dar trabalho, de requerer esforço. Esse medo é impeditivo. Impede-as de levarem uma verdadeira vida, impede-as de se tornarem no melhor que são, impede-as de se tornarem elas próprias. Felizmente para essas pessoas, é bom algumas coisas não mudarem. A persistência não muda, a coragem não muda e a fé não muda. As pessoas que rezam pelos tementes da mudança não mudam na sua atitude. Porque mudar é natural e é um caminho que vai desembocar ao fundo do túnel, o túnel do medo.

segunda-feira, julho 3

Aqui estoy para hacer tu voluntad

É com um misto de tristeza e pesar, que não deixo que vivam, que parto para a Viagem...
é tão estranho como é que certas pessoas conseguem sempre, imperetrivelmente estragar, ou pelo menos tentar, tudo, é simplesmente impressinonante, mas essas pessoas não merecem se quer as (minhas) palavras num blog como este...

A Viagem começa hoje, daqui a bocadinho, saio agora de casa, com dois sonhos a sonhar enquanto caravano, sonhos altos tão altos que posso não chegar lá, mas "se ao menos tocar as suas vestes serei salvo", ou seja, serão compridos, ou realizados...

Quem caravana assim, Vive, espero conseguir caravanar assim por todos os que não vão e que estão tão presentes como se fossem, por todas as palavras gravadas no coração, por todos os gestos que nunca esquecerei, simplesmente porque as lágrimas que preveniram, que evitaram e que susteram, ou entao...

os sorrisos porque foram, e são responáveis... é também por esta pessoa, padrinho, que este post nasce para agradecer, se é que é possível, tudo, o que nao cabe aqui mas que fica para sempre gravado no coração, e relembrar o que já sabes, que estás e estarás sempre conosco, será assim um treino para o futuro...

Tudo isto será vivido e rezado numa Caravana que surge como realização...
a todos os que estaremos juntos, ate já...
a todos os que estaremos separados... ate já...